Going Electric retrata a noite em que Bob Dylan foi vaiado

Bob Dylan é um gênio. Poeta, músico, escritor, premiado e dono de un Nobel. Nesse 24 de maio de 2021, quando completa 80 anos, o difícil é conseguir resumir tantos feitos em poucas linhas.

Desde seus 20 anos, o músico chegou lacrando. Sucesso imediato mescla letras sensíveis e politizadas com violão ou guitarras. Inventou a música ativista, praticamente. A diferença de Bob Dylan está na sua absoluta indiferença sobre opinião alheia. Se para alguns em algum momento pareceu fake, hoje confirma-se que o cantor só faz o que quer. Quando era estrela do folk, virou roqueiro. De roqueiro virou cantor romântico. Não adianta tentar classificá-lo.

Com mais de 39 álbuns e ainda na ativa, ele é um dos maiores influenciadores da história com mais de 500 canções, dentre elas algumas consideradas as melhores de todos os tempos. Bob Dylan é sinônimo de existencialismo.

Regravado à exaustão, a vida de Dylan já foi parcialmente levada para o cinema algumas vezes, até com Cate Blanchett o interpretando. Porém é o filme atualmente em produção que tem sua autorização e envolvimento, que será o mais interessante. Se chama Going Electric.

Timothée Chalamet será Dylan

O filme, dirigido por James Mangold, está em desenvolvimento, mas tem o talentoso ator Timothée Chalamet confirmado no papel principal. Vai recontar quando Dylan chocou fãs e amigos ao tocar uma guitarra elétrica no festival de folk de Newport, em 1965. Nos anos anteriores, o cantor foi um dos grandes destaques do evento onde predominam instrumentos acústicos. Dylan tinha acabado de escrever e lançar Like a Rolling Stone, porém, ao dar o primeiro acorde, começaram as vaias.

Reza a lenda – que veremos como será retratada no filme – que o músico ainda insistiu com a canção, porém a platéia cresceu tanto em volume que nem ele ouvia sua própria guitarra. Depois de tocar apenas três canções, Like a Rolling Stones sendo uma delas, deixou o palco. Segundo testemunhas, chorando.

Depois de muita insistência, Dylan voltou ao palco, mas sua harmonica não foi encontrada. Pediu uma emprestada ao público e tocou, apenas com violão, Mr. Tambourine Man e It’s All Over Now, Baby Blue.

The vagabond who’s rapping at your door
Is standing in the clothes that you once wore.
Strike another match, go start anew
And it’s all over now, Baby Blue

O público foi ao delírio. Bob Dylan, porém, agradeceu e deixou o palco. Não atendeu aos pedidos de bis. Nunca mais tocou no festival por 37 anos. E, quando voltou, em 2002, usou uma peruca e uma barba falsa. Louca para ver como ele quer que a história seja contada! Pelo visto, apenas em 2023…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s