A melhor entrevista com Príncipe Harry

Nenhuma emissora ou outro jornalista conseguiu uma conversa tão finalmente franca com Príncipe Harry do que Bryony Gordon. Este post é a tradução do artigo original (clique aqui) porque contextualiza o livro e de alguma forma, a intenção. Não entra no quanto tudo isso tem sido lucrativo, mas é interessante.

Uma xícara de chá com o príncipe Harry

Fui a Montecito para conversar com o homem mais famoso do mundo no momento sobre terapia, dinâmica familiar e, finalmente, encontrar sua voz.

Bryony Gordon

Foi um começo agitado para 2023. Eu já limpei a gaiola do porquinho da índia (duas vezes), esperei em uma cirurgia de GP por horas para conseguir antibióticos para minha filha para uma infecção no ouvido (da qual ela felizmente se recuperou) e voei para Califórnia e de volta para entrevistar o príncipe Harry (como você faz). Felizmente para você, decidi lançar meu Substack adequadamente com uma postagem apresentando essa entrevista, e não minhas opiniões sobre a melhor cama para porquinhos-da-índia.

Você deve ter notado que o príncipe Harry – ou Haz, como eu o chamo desde nossa primeira entrevista em 2017 – lançou um livro. Chama-se Spare. Na semana passada, fui à casa dele em Montecito para conversar com ele sobre isso. Temos uma longa amizade de trabalho, nascida de uma paixão mútua por falar sobre questões de saúde mental, e ele concordou em dar uma entrevista para este Substack. Sem pressão para o meu próximo post!

Então, aqui está minha conversa com Haz, que aconteceu durante uma tarde em sua casa em Montecito, Califórnia. Espero que o ache interessante e que lhe dê muito em que pensar.

Acho que você teria que ter sangue frio para ler este livro e não ficar imensamente comovido. O que realmente me chamou a atenção é que você é alguém que teve sua voz silenciada durante toda a vida. As pessoas falaram por você, as pessoas escreveram livros sobre você…

Harry: Totalmente. Não sei qual é o número [de livros], mas acho que é de três dígitos.

Portanto, parece grosseiro não permitir que você escreva seu lado da história. E ao fazer isso, você passa de uma espécie de príncipe de conto de fadas a uma pessoa real. Não te conheço muito bem, mas o que sei sobre você, senti que realmente apareceu no livro.

Mas você provavelmente sente que me conhece mais do que a maioria, porque tivemos algumas interações aqui e ali!

Bem, sim, ponto justo. Eu senti sua voz vindo através

Minha vida tem sido turbulenta e aventureira [risos de eufemismo], tudo em um. Não vejo nenhuma das coisas que aconteceram… Vejo as coisas que aconteceram comigo como lições aprendidas. Direita? E isso está voltando a perder minha mãe.

No começo, eu não queria falar sobre isso. Como você e eu sabemos, a sociedade como um todo realmente não encoraja você a falar sobre luto e perda. Quando você coloca uma tampa nessas coisas, elas se transformam em bolas de neve dentro de você. Quando comecei a fazer terapia aos trinta e poucos anos, comecei a perceber que a pessoa que pensava que era não era realmente eu. Eu estava entorpecido. O que espero ter provado ao longo de toda essa minha jornada – que obviamente continua – é que na verdade você pode ser forte e vulnerável ao mesmo tempo. Eu tomo tanta força em ser vulnerável.

Eu costumava ficar muito ofendido com a ideia de que poderia ter mudado e quando as pessoas culpavam Meghan. Eu pensava ‘não, eu não mudei, ainda sou a mesma pessoa!’. Mas eu não sou. Claro que mudei, fiz terapia. Eu tive um momento na minha vida, depois de 10 anos de serviço militar, que meio que estourou a bolha, e me fez perceber ‘bem, espere um segundo, você faz parte de algo aqui, esta instituição, e você se sente muito diferente’. Mais uma vez, sou filho de minha mãe. A terapia consistente me deu a chance de limpar, desembaraçar e relaxar… foi como limpar o para-brisa. Limpando todos os filtros do Instagram, os filtros da vida.

Limpando as máscaras que colocamos para sobreviver?

As máscaras, sim. Eu nunca entendi isso. Eu não andava pensando ‘merda, isso não sou eu, não me sinto normal’. Eu me senti totalmente normal, como acho que a maioria de nós se sente. Mas se você está sentado em luto, perda ou trauma não resolvido, há uma grande possibilidade de que a maneira como você interage e se comporta com as pessoas provavelmente não seja muito autêntica e genuína para você. É um mecanismo de defesa. Você não está vivendo uma vida autêntica porque tem medo de encontrar um desses momentos [de luto] novamente. Então você fecha. Isso é o que eu era, eu estava fechado. William era o mesmo, nós dois estávamos fechados. A terapia mudou completamente a minha vida. Assim como estar em um relacionamento com uma mulher mestiça. Isso me surpreendeu. Eu tive uma educação..

Isso abriu você para coisas que você simplesmente não sabia?

Eu não fazia ideia. Eu pensei que viajando pela Commonwealth e fazendo o papel que eu fiz, você não poderia ser mais viajado e mais culto, certo? Rapidamente percebi que não era culto, de jeito nenhum.


Quando você pega um membro da família real e o coloca em terapia, é claro que haverá uma diferença. É como se estivéssemos falando línguas diferentes. Não conseguimos nos entender depois disso. Antes sempre havia complicações, problemas ou o que fosse. Muitas vezes tive a sensação de que as coisas não pareciam certas. A terapia abriu meus olhos, limpou toda a sujeira e toda a merda e, de repente, pensei ‘esse foi um processo muito doloroso e agora percebo que, pelo resto da minha vida, todos os dias passarão ser um trabalho em andamento, mas não posso deixar minha família para trás’. E foi aí que comecei a tentar explicar a eles como algumas de suas decisões e algumas das coisas que estavam fazendo – ou não – iriam se refletir neles. Seriamente. Especialmente no cenário global, especialmente na Commonwealth, em relação à minha agora esposa. E eu não consegui falar com eles. E não era uma ou duas pessoas que eu estava tentando alcançar. Foi uma mentalidade. Era uma cultura, dentro de uma bolha dentro de uma bolha, que enquanto eu estava lá era inquebrável. Não é que eu tenha desistido, mas sinto que falhei nessa instância, tentando trazê-los comigo. Mas, como todos sabemos, qualquer um que tenha feito terapia, a coisa mais difícil na vida é ser capaz de mudar a si mesmo, quanto mais mudar qualquer outra pessoa.

Quando fiquei sóbria, meu terapeuta na reabilitação falou comigo sobre essa teoria de que todas as famílias disfuncionais são como um móbile sobre o berço de uma criança. Cada membro da família tem um papel específico a desempenhar – a ovelha negra, a criança de ouro, o palhaço – que mantém o móbile equilibrado. No momento em que alguém rejeita esse papel e diz ‘espere, não tenho certeza se quero mais fazer isso’, a coisa toda vira de lado…

É exatamente a mesma analogia que meu terapeuta aqui trouxe comigo! Eu nunca tinha ouvido isso antes, mas é tão verdade. E quando fica fora de sincronia, eles [a família] fazem tudo o que podem para puxar você de volta. Já fui chamado de disjuntor do ciclo, não sabia o que isso significava. Mas sim, se eu sou alguém que está tentando garantir que essa transmissão geracional de trauma pare em mim, então acho que isso me torna um disjuntor do ciclo.

Você é definitivamente um disjuntor do ciclo.

O que percebi é que você não faz amigos, principalmente dentro da família, porque todos aprenderam a aceitar que o trauma faz parte da vida. Como você ousa, como indivíduo, falar sobre isso, porque isso nos deixa muito desconfortáveis. Então, certo, você pode não gostar de mim no momento, mas talvez me agradeça daqui a cinco ou dez anos.

Mas como eu sei, muito bem, dentro da minha família, se não for a gente [aponta para o peito], vai ser outra pessoa. E embora William e eu tenhamos conversado sobre isso, uma ou duas vezes, e ele tenha deixado bem claro para mim que seus filhos não são minha responsabilidade, ainda sinto uma responsabilidade. Sei que desses três filhos, pelo menos um vai acabar como eu, o sobressalente. E isso dói, me preocupa.

Eu sou uma pessoa que gosta de consertar as coisas. Se eu vir irregularidades e um padrão de comportamento que está prejudicando as pessoas, farei tudo o que puder para tentar mudar isso. E isso pode não ser acordado naquele momento, mas estou chegando a isso com um pensamento estratégico de longo prazo. Não se trata de tentar derrubar a monarquia, trata-se de tentar salvá-los de si mesmos. E eu sei que serei crucificado por várias pessoas dizendo isso.

Um dos temas das entrevistas é: como você pode dizer que quer seu irmão e seu pai de volta, com certeza escrever um livro não é a maneira de fazer isso? E minha resposta para isso é: já tentei de tudo! É como se eles não quisessem a reconciliação, porque nos manter como vilões, e manter a imprensa focada em nós, ajuda a diminuir tudo o que está acontecendo dentro daquela família. Essa é uma parte disso. Mas também, minha técnica aqui, neste ponto – porque eu realmente quero meu pai e meu irmão de volta em minha vida, ao contrário do que é agora, que é, não poderia ser pior – é que quanto mais eu posso trazer a relação entre a imprensa e o palácio à luz, maior a chance de que cesse completamente, protegendo assim os demais membros da família. Porque, novamente, se não somos nós, é outra pessoa. E sei que não vou fazer amigos nesse processo. Mas também não entendo como tanto do que aconteceu de uma versão, um lado desta história, como eu contar o outro lado, o lado verdadeiro, é tão chocante e ultrajante.

Talvez seja o mesmo para você Bryony e eu não sei, mas dentro da minha família e dentro de tudo o que já aprendi, escrever um livro é um absoluto não. Você nunca, nunca, nunca deve escrever um livro. Não é sobre o conteúdo, é sobre o fato de você ter escrito um livro. Mas o que é pior? Alimentando mentiras contínuas, através de fontes anônimas, através da imprensa, para criar milhões e milhões de palavras, tecidas de forma a tentar destruir sua reputação ou seu caráter, ou o de sua esposa?

O que, por sua vez, cria muita retórica odiosa…

Odioso. Além de alimentar livros sem fim, certo? Livros sem fim, novamente anonimamente. E nunca ser responsabilizado pelas palavras e ações que você está alimentando? Ou em algum momento da sua vida, aos 38 anos, pensando ‘sabe de uma coisa? Basta.’ E ser corajoso o suficiente para ficar por trás dessas palavras e corrigir a narrativa, para sua própria saúde mental, para o bem de sua esposa e de você e sua família, esperando, pelo amor de Deus, que isso acabe com isto? Quando saímos, pensamos genuinamente que seríamos deixados sozinhos. E isso foi tão ingênuo.

Você realmente pensou que seria capaz de ir para o Canadá e simplesmente seguir com sua vida?

Bem, a primeira ideia, o primeiro plano, como deixamos bem claro por meio daquela declaração no Instagram, quase exatamente três anos depois, a proposta era, gostaríamos de separar nosso tempo entre o Canadá e o Reino Unido. Ainda queremos trabalhar dentro da instituição, só queremos desempenhar um papel diferente onde somos financeiramente independentes, para remover o suposto argumento de interesse público para a imprensa, que é se você é financiado pelo contribuinte, então toda a sua vida é propriedade por nós. Naturalmente pelo papel da mídia nisso, nossa saída foi deturpada, nossa proposta foi deturpada dentro da instituição, e isso foi incrivelmente danoso e triste.

Eles [a família real] arruinaram todo esse plano, principalmente, infelizmente, por meio de sua necessidade de nos controlar financeiramente, o ciúme e essa situação infeliz em que apenas existirmos fora de seu controle é de alguma forma problemático para eles. E essa é a parte mais triste disso, que havia uma oportunidade para continuarmos a trabalhar para eles e com eles, só que não aguentávamos ficar presos no Reino Unido, onde cada elemento de nosso valor passava pelo filtro do tablóides britânicos, e onde sabíamos que as mesmas pessoas que deveriam nos proteger eram cúmplices de todas as histórias que estavam literalmente destruindo minha esposa diante dos meus olhos, a ponto de eu estar voltando de Londres para Frogmore depois Archie nasceu, e eu entrava no berçário e lá estava ela em lágrimas, lágrimas pingando de Archie enquanto ela o amamentava. Isso foi um ponto de ruptura para mim. E há alguém [Meghan] que não lê as histórias. Ela estaria morta se estivesse lendo as histórias. Ela ainda recebia mensagens de amigos, dizendo ‘Espero que você esteja bem, eu vi as notícias’ e isso era o suficiente porque ela sabia que se seus amigos, que raramente entravam em contato nesse contexto, se eles estivessem entrando em contato fora então ela sabia que era ruim. Então, o que você deveria fazer? Como namorado, dei o alarme. Como marido, dei o alarme. Como pai, dei o alarme. E se as pessoas tivessem ouvido, isso nunca teria acontecido. Essa é a parte mais triste, era tudo tão evitável, mas eles simplesmente não conseguiam se conter.

Sinto muito que isso é o que você teve que passar

Muitas pessoas passam por muita merda. Minha esperança é que, ao contar esta história e compartilhar tanto dela, com o contexto, isso capacite as pessoas a serem capazes de compartilhar sua própria história e as encoraje a se retirarem de qualquer situação que seja tóxica, desconfortável ou não.

A outra coisa que vem à tona é apenas a pura misoginia, a misoginia disso…

Eu mencionei isso na frente do meu irmão e ele disse ‘você nem sabe o que significa misoginia’. Eu estava tipo ‘eu faço agora por causa da namorada que estou namorando’. Acho que o que será chocante para tantas pessoas que não seguiram necessariamente de perto minha história, ou nossa história, é a ideia de que William e eu estávamos literalmente…

Os melhores amigos?

Melhores amigas, unidas na cintura, e é tudo culpa dela [de Meghan]. Considerando que você percebe no livro, não, nós tínhamos vidas completamente separadas.

E de muitas maneiras você estava sendo jogado aos lobos, ou à imprensa, quando você era criança também…

Sim, mas eu não sabia disso.

Quando você tem 16 anos, tem aquela história de você fumar drogas, e depois tem aquela história da professora de artes que diz que te ajudou a colar nas provas…

Com o material do exame, isso é difícil. Ainda não sei como isso aconteceu. Acho que era mais o indivíduo em Eton que estava causando o problema. Mas sim, você está certo, o palácio escolhe quem proteger e quando.

Eu ouço as pessoas dizerem ‘o que dois milionários que vivem em Montecito têm a ver comigo durante uma crise de custo de vida’, e eu sempre digo ‘bem, tudo mesmo, porque houve essa normalização total do ódio quando se trata deles’. No livro, você fala sobre a realeza ser como insetos, e como nós, a mídia, nos divertimos arrancando suas asas. Mas isso é algo que vemos não apenas na realeza ou na mídia, mas em todos os lugares da vida agora. Crianças sofrem bullying nas redes sociais. Trolls abundam. Ela permeia e escorre. Sempre que escrevo algo em sua defesa, recebo insultos. Recentemente, recebi um e-mail me chamando de ‘puta judia gorda’. É uma loucura. É uma loucura. E eu odeio que a palavra ‘acordei’ tenha se transformado em um insulto.

Só a imprensa britânica poderia transformar uma palavra que realmente todos deveriam querer ser, em crítica.

É uma palavra que foi criada por afro-americanos nas décadas de 1950 e 1960, para descrever estar alerta ao racismo e à injustiça social, e foi cooptada principalmente por homens brancos como um insulto. Você quase não conseguiu compensar.

É medo. Muito disso é medo de que eles percam o controle. Não é pessoal, o que minha esposa representa é o que essas pessoas estão atacando. É aniquilação simbólica. Em poucas palavras. Porque nenhuma dessas pessoas a conheceu, ela não fez nada de errado, ela literalmente apareceu e fez o melhor trabalho que pode, o que provavelmente é onde ela errou.

Eu sei que a imprensa tem uma tonelada de sujeira sobre minha família, eu sei que eles têm, e eles varrem para debaixo do tapete para histórias suculentas sobre outra pessoa. Eu sei que M estava sendo usado como um catalisador para uma guerra cultural. Muitas pessoas não querem ver, ou não podem ver, porque para onde quer que você olhe, você recebe a mesma mensagem. E essa é provavelmente a coisa mais perigosa. Mesmo se você disser que não lê os tablóides, isso ainda deixa uma marca em sua mente.

Podemos falar um pouco sobre a reação de você ter feito terapia, e membros de sua família acusando você de sofrer lavagem cerebral e delirar por causa disso? Acho que é uma reação familiar bastante comum quando uma pessoa faz terapia.

É ótimo que você diga isso, porque muitas pessoas vão dizer ‘não acredito que ele disse isso sobre o irmão, isso vai destruir sua campanha de saúde mental’. É tipo, não, mas precisa haver uma conversa mais ampla sobre isso. Passei dois anos lutando, em alguns momentos, para descobrir o que precisava colocar [Spare] e o que deveria ficar de fora. E esse não foi um processo fácil para mim. Mas tudo o que tenho ali, tem um propósito e uma razão para estar ali. Porque acredito que é relacionável de alguma forma com outras pessoas ao redor do mundo. Não é específico para um público britânico ou americano, deve ser uma conversa global, tanto quanto as pessoas da família fazendo perguntas como ‘Eu me pergunto como serão os filhos deles’. Você pergunta a qualquer casal mestiço do mundo, eles provavelmente já passaram por isso. A única diferença é que eles diriam isso pelas suas costas ou para você? Algumas coisas bizarras foram ditas, digo bizarras porque não era racista, apenas mostra a profundidade do viés inconsciente. E acho que é uma conversa que vale a pena ter, não apenas comigo e minha família, mas globalmente. Se você se afastar do racismo e começar com preconceito inconsciente, que cada um de nós tem, não há culpa ou falha nisso. Mas no momento em que eu aponto para você e digo ‘você apenas mostrou algum viés inconsciente’, se você não quer aprender e crescer com isso, então você está voluntariamente dizendo que deseja permanecer parte do problema em vez de parte da solução. O que então move o viés inconsciente para o racismo.

E, claro, fui chamado de racista por causa de duas coisas que fiz quando tinha vinte anos. E agora estou sendo chamado de acordado. Quando eu estava sendo chamado de racista, eles estavam me dizendo para resolver minhas coisas, e agora que resolvi minhas coisas, estou acordado? Você não pode vencer. E isso foi quase como uma bênção estranha. Porque no momento em que percebemos que não podemos vencer, estamos ferrados se vencermos e estamos ferrados se não vencermos, de repente aquele medo de controle, ou aquele controle pelo medo, de repente isso é removido. De repente você pensa ‘bem, se vamos ser criticados por isso, façamos ou não, talvez devêssemos viver uma vida feliz para nós mesmos, porque eles vão dizer o que quiserem de qualquer maneira’. A maior parte da minha vida fui levado a acreditar, e acreditei, que sua reputação era definida pelos correspondentes reais e pelas primeiras páginas dos jornais. E ainda é nisso que minha família acredita. Então é claro que é muito mais vantajoso ter toda essa merda escrita sobre nós, quando alguns deles não tiveram um artigo negativo escrito sobre eles por seis anos em alguns casos.

Você pode me falar sobre o processo de escrever o livro com JR Moehringer? Escolhendo o que colocar e o que não colocar, essa caminhada na corda bamba das memórias. Além disso, uma das perguntas que muitas vezes me fizeram, como alguém que escreveu algumas memórias profundamente pessoais, é ‘isso parece catártico?’

Era. Foi definitivamente catártico. Às vezes era doloroso. Foi revelador. Porque havia memórias que eu consegui puxar para cima e por cima do muro que eu havia esquecido, que eu nem sabia que existiam. E houve momentos em que eu me assustei também.

Sério?

Sim.

De que maneira?

Por exemplo, o Afeganistão. Havia momentos que me levavam de volta, eu sentava e fechava os olhos. Fizemos mais de 50 chamadas de zoom juntos e fizemos muitas sessões aqui [a casa de hóspedes em que estamos] também. Mas nessas chamadas de zoom eu fechava os olhos e me colocava de volta na cabine e voava naquelas missões novamente. E JR ficou impressionado com o nível de detalhes que eu conseguia lembrar. Algumas partes eram nebulosas, sobre minha infância, mas eu conseguia me lembrar de quartos e coisas.

Eu era um livro completamente aberto para ele. Disse-lhe que me perguntasse o que quisesse e que eu lhe contaria tudo. E sim, o primeiro rascunho era diferente. Foram 800 páginas. E agora caiu para 400 páginas. Poderia ter sido dois livros, coloque dessa forma. E a parte difícil foi tirar as coisas. Minha viagem ao Nepal em 2016 após o terremoto foi um momento real para mim, porque foi uma viagem realmente reflexiva que me levou ao meu relacionamento com Meghan. Mas isso tinha que sair, não tinha espaço para isso. Então, fiquei muito triste com algumas das partes que foram retiradas. E depois houve outras partes que compartilhei com JR, que tive que dizer ‘olha, estou contando isso apenas para contextualizar, mas não há como colocar isso aqui’.

E por que você não colocaria esses bits?

Porque [aqui ele faz uma pausa]. Porque na escala de coisas que eu poderia incluir para os membros da família, havia certas coisas que, olha, qualquer coisa que eu incluísse sobre qualquer um dos membros da minha família pela qual eu seria destruído, eu sabia disso. Mas é impossível contar minha história sem eles, porque eles desempenham um papel crucial nela. E também porque você precisa entender os personagens e as personalidades de todos dentro do livro. Mas há algumas coisas que aconteceram, especialmente entre mim e meu irmão, e até certo ponto entre mim e meu pai, que simplesmente não quero que o mundo saiba. Porque eu acho que eles nunca me perdoariam.

Agora você poderia argumentar que algumas das coisas que eu coloquei aqui, bem, eles nunca vão me perdoar de qualquer maneira. Mas, do jeito que eu vejo, estou disposto a perdoá-lo por tudo que você fez, e gostaria que você realmente sentasse comigo, apropriadamente, e em vez de dizer que estou delirando e paranóico, realmente sentasse e ter uma conversa adequada sobre isso, porque o que eu realmente gostaria é de alguma responsabilidade. E um pedido de desculpas à minha esposa. Porque você sabe o que fez, e agora eu sei por que você fez isso. E você foi pego de surpresa, então apenas confesse, e então todos nós poderíamos seguir em frente. Mas a escolha do que guardei lá foi específica para tentar pintar uma imagem de quem é o indivíduo e que papel ele desempenha e por que reagiu da maneira que reagiu, com compaixão por sua situação, por causa de seu papel na hierarquia da monarquia, e sua relação – ou de seu gabinete – com a imprensa. E tudo isso fazia parte. E a relação entre mim e William foi por muitos anos uma relação entre nós. Mas então, por causa de algumas pessoas que ele empregou no escritório, de repente havia um terceiro para isso. E você não pode ter um relacionamento, um relacionamento funcional, baseado na confiança, quando qualquer coisa que você diz, ou qualquer coisa que você passa para sua equipe, acaba girando em benefício daquele principal contra o outro principal, que neste caso é dois irmãos.

A família é como um casting. É como uma combinação entre novela e pantomima. E todo mundo que entra nisso, todo mundo tem um papel, normalmente um papel que é definido pela imprensa britânica, e eu desempenhei exatamente o papel que me foi dado. Caindo de clubes, bêbado, atacando paparazzi. Eu me considero totalmente responsável por isso.

Meghan foi escalada para o papel de mulher difícil. Como se a monarquia nunca tivesse encontrado uma pessoa difícil antes.

Mas é isso. Esse é o viés inconsciente. Você olha para a história de quantos membros da minha família gritaram com a equipe, que aparentemente foi esquecido e Meghan é a valentona? É tipo, o quê? Não, não, não. Os membros da família que são literalmente criados dentro dessa construção têm alguns problemas para lidar. Mas um estranho, não um estranho, alguém de uma vida normal entrando, não se comporta como se as pessoas estivessem lá dentro. Basta assistir Sucessão para perceber isso. Então a imagem que a imprensa tentou pintar é: Harry é um pouco travesso. Um pouco atrevido, mas ele se preocupa com seu trabalho e lidera pelo coração. Justo?

Justo

E então há Meghan, ela tem sua própria carreira, nunca esteve nos tablóides antes, sem esqueletos no armário, nunca teve nada de ruim escrito sobre ela, nunca, e de repente, quando nos encontramos, somos esses narcisistas loucos enlouquecidos pessoas danificadas.

Acho que precisamos parar de falar tanto sobre a palavra narcisista.

Sim, mas quando eu vi isso sendo usado, especialmente conosco, é usado por pessoas com tendências narcisistas. O que novamente é projeção. E tudo isso leva de volta a alguns poderosos – não digamos poderosos – homens britânicos mais velhos, brancos e influentes. Então, novamente, volta ao sexismo. O misógino.

Se meu papel é defender minha esposa e outras mulheres e encorajar outros homens a fazerem o mesmo, sem que eles pensem que talvez isso seja vulnerável ou algo assim, continuarei a boa luta e defenderei aquilo em que acredito. ainda mais agora que tenho filhos, porque se não der exemplo, do que adianta viver? Há tanta masculinidade tóxica em todo o mundo agora. E eu sei que às vezes é mais fácil cair no ódio, na negatividade e no giro. É mais fácil e rápido. Mas tenho muito mais satisfação em viver de acordo com meus princípios e meus valores.

Acho que é um momento muito interessante globalmente, quando pessoas em posições como a minha precisam enfrentar isso. Quanto mais críticas eu recebo de um determinado grupo de pessoas, mais eu vou falar. Se vejo fanatismo, se vejo racismo, se vejo sexismo, então, como membro da família real britânica, sinto-me obrigado e tenho uma tremenda responsabilidade em denunciá-lo.

Eu realmente quero falar com você sobre mais de suas experiências com saúde mental, sobre as quais você escreveu tão destemidamente em Spare. A coisa mais dolorosa, para mim, foi ler sobre o que aconteceu imediatamente depois que você descobriu que sua mãe havia morrido. Você realmente acreditou que ela não estava morta, que ela havia desaparecido, por uma década inteira. Seu cérebro entrou em um estado de…

Choque. Desligar. O pensamento mágico.

E então, cerca de dois anos depois que ela morreu, você sai para caçar e sua cabeça é enfiada na carcaça de um cervo como parte de algum estranho rito aristocrático de passagem. E tudo que eu conseguia pensar era ‘quem está cuidando desse menino?’

Mas é interessante porque muitos desses momentos fizeram de mim o homem que sou hoje. Eu encorajaria Archie a enfiar a cabeça dentro de uma carcaça? Provavelmente não. Mas as pessoas que passaram por traumas lidam com isso de maneiras diferentes. E acho que quando se trata de mim e William, a parte fascinante é que ambos passamos por uma experiência traumática semelhante. Ele foi por aqui e queria falar sobre isso quando éramos mais jovens, eu fui por outro caminho e não queria falar sobre isso quando era mais jovem. O que gerou um pouco de ressentimento. Não era nada contra ele, eu só não queria falar sobre isso, o que novamente é tão comum para tantos irmãos e famílias ao redor do mundo. E então, quando ficamos mais velhos, comecei a sair um pouco dos trilhos e a lidar com isso por meio da bebida e das drogas, enquanto ele ficava completamente silencioso e completamente desligado. E então minha vida começou a se alterar e mudar completamente, porque eu queria, ou não tinha outra escolha, confrontar exatamente aquilo de que eu vinha fugindo, ou com medo, por todos aqueles anos.

Mas eu não estava andando por aí pensando em minha mãe o tempo todo. Eu estava fazendo tudo o que era humanamente possível para não pensar nela. E a terapia foi a melhor coisa que já aconteceu comigo, além da minha agora esposa. O processo foi revelador, porque chegamos ao ponto em que comecei a lidar com o meu trauma. E começou a enfrentar a ideia de que mamãe queria que eu chorasse. Eu me convenci de que ela devia estar querendo que eu chorasse. Essa é a única maneira de provar a ela que ainda sinto sua falta. Mas depois de tomar ayahuascha com as pessoas certas, de repente percebi – uau! – não é pra chorar, ela quer que eu seja feliz. Então esse peso do meu peito não foi a necessidade de chorar, foi a aceitação e a constatação de que ela se foi, mas que ela quer que eu seja feliz e ela continua muito presente na minha vida. Como dois irmãos, se um de vocês passa por essa experiência e o outro não, isso naturalmente cria uma divisão ainda maior entre vocês. O que é realmente triste. Mas, por mais que William tenha sido a primeira pessoa a sugerir terapia, eu só queria que ele pudesse sentir os mesmos benefícios disso, em vez de acreditar no que não precisa.

Talvez vocês devessem ter feito uma viagem de ayahuascha juntos. Como você se sente agora? Vamos voltar à primeira pergunta que fiz a você em uma entrevista, lá em 2017!

Durante a maior parte da minha vida, a resposta foi ‘estou bem’. Acho que já falamos sobre isso antes. ‘Estou bem’ é a opção mais segura, não há perguntas de acompanhamento. É incrível como somos bons em esconder isso, certo? As pessoas diziam, ‘ele estava sempre feliz, ele estava sempre sorrindo!’. Adivinha? Eu escondi. E muitas pessoas são capazes de escondê-lo. Em resposta à sua pergunta, mentalmente, nunca fui mais forte do que sou agora. O que foi um salvador para mim foi minha desintoxicação digital. Minha dieta digital. Agora eu consumo coisas online da mesma forma que como. Não olho para essas coisas, sei algumas delas e vejo algumas, mas provavelmente 10% do que costumava ver. Não acredito que durante todos esses anos, especialmente entre 2016 e 2018, estive nele. Não me arrependo de ter participado tanto quanto antes, estava lendo coisas sobre mim, mas principalmente sobre Meghan, e isso não apenas me inspirou e me encorajou a dizer ‘isso é fundamentalmente errado’, mas também tive a maior educação que eu poderia ter feito. Lendo algumas das histórias, vendo algumas das respostas e as respostas. Isso me preparou para onde estou agora.

E por causa da terapia, a maneira como explico para mim mesmo é que todo o trauma, a dor, a tristeza, a frustração, a raiva, que foram literalmente eliminados de mim. Isso não significa que eu não fique com raiva às vezes. Isso não significa que eu não fique triste. Isso não significa que eu não fique preocupado. Tudo isso ainda está lá, essas emoções humanas muito normais. Mas em relação à bagagem e ao passado, agora que limpei isso, sinto que tenho um novo nível de percepção e consciência de tudo sobre mim. E eu sinto que não diria que me sinto invencível, mas sinto que posso conquistar o mundo. E eu sinto que esta é a missão da minha vida, meu propósito, é consertar os erros disso, exatamente o que nos expulsou, porque levou minha mãe, levou Caroline Flack, que era minha namorada, e quase levou minha esposa. E se isso não é um motivo bom o suficiente para usar a dor e transformá-la em propósito, não sei o que é. Algumas pessoas dirão ‘você não pode simplesmente deixar isso?’. E eu acho que não, não posso, porque sei que outras pessoas vão sofrer.

Posso acrescentar que quase levou você também?

Sim.

Você não queria existir e, quando conheceu Meghan, teve uma experiência de…

Eu quero viver.

Às vezes é preciso algo assim para fazer você perceber o quão infeliz você tem sido…

Sim. Eu nunca tive consciência de como eu era infeliz. Eu não me permiti pensar nisso. Eu apenas segui em frente e fui a festas e não me interpretem mal, eu me diverti. Mas, olhando para trás agora, não foi divertido. Estava mascarando algo. Então, sim, Meghan me apresentou a uma vida que eu nunca soube que existia. Então entra Archie e entra Lily, [ele faz uma mímica de espanto absoluto].

Eu sinto que minha mãe é meu anjo da guarda, genuinamente. Quando olho para trás, para as coisas que aconteceram, em vez de olhar como um castigo, tento me perguntar o que posso aprender com isso. Como o universo está me ensinando? Para que quando acontecer da próxima vez, ou quando algo semelhante acontecer, eu possa estar melhor preparado para isso. E quando você está tentando mudar uma instituição e, fundamentalmente, o cenário da mídia, essa não é uma tarefa pequena. A escala do desafio é enorme e tenho que ser capaz de me proteger mental e emocionalmente durante todo esse processo.

Pode haver pessoas pensando ‘o que lhe dá o direito de mudar a mídia?’

Acho que nada me dá o direito, mas sinto uma responsabilidade inerente. Pelo que vejo, pelo que sei e pelo que experimentei, parece que eles continuam se safando das mesmas coisas repetidamente, e o que fica comigo é a história se repetindo. Seja do ponto de vista familiar ou não.

O maior motivador para mim é como o tratamento de Meghan está afetando centenas de milhões de pessoas em todo o mundo. Porque eles sentem como ela foi tratada de forma muito pessoal. Especialmente mulheres de cor, mas também mulheres em geral.

Desde 2016, tornou-se um esporte nacional literalmente tentar destruí-la. E ao fazer isso na grande mídia, você normaliza para que aconteça com todo mundo. Quando você tem alguém como Jeremy Clarkson se safando disso, torna-se aceitável. Assim, as pessoas podem tratar suas esposas e namoradas e todos os outros da mesma maneira. Novamente, essa é outra razão pela qual vale totalmente a pena, porque, caso contrário, você estará apenas falando sobre autopreservação, que, aliás, é como todo o sistema funciona, especialmente na minha família. ‘Se eu conseguir alguma coisa com isso, se eu puder ser protegido, dando-lhes algo, ou trocando histórias, ou convidando-os para beber…’ A autopreservação funciona para você, você encontrou uma maneira de se proteger, mas eles apenas vão passar para outra pessoa.

Muitas pessoas dizem que sentem por você, entendem que você passou por coisas terríveis, mas você não deveria lavar a roupa suja de sua família.

Lavar a roupa suja da minha família é um termo que me foi lançado inúmeras vezes por pessoas no Reino Unido, por amigos meus. E eles não podem entender isso, eles não podem compreender isso. Para mim, é duplo. Uma é que minha família lava a roupa suja uns dos outros há décadas, especialmente nos últimos 15 anos. A coisa de ‘nunca reclame, nunca explique’, é apenas um lema. Isso é tudo. E a segunda parte é, se você olhar para isso do ponto de vista de um agressor, se há alguém na família ou alguém em sua vida que está abusando de você, então o agressor adora o silêncio e a capacidade de dizer ‘bem, você nunca pode falar sobre isso para ninguém’. Assim, o agressor continua a abusar. Ainda me dói quando as pessoas dizem que você nunca deve lavar a roupa suja de sua família. Mas eu sempre digo ‘qual é a diferença entre divulgar mentiras sobre sua família através da imprensa britânica, ou divulgar a verdade através de um livro?’ Eu sou inteiramente responsável e totalmente responsável pelo que estou dizendo. Mas eu provavelmente não precisaria fazer isso, e não teria escolhido fazer isso, se nada disso tivesse acontecido em primeiro lugar.

Não vejo por que está tão arraigado que aconteça o que acontecer em sua família, você nunca deve falar sobre isso. Que não importa o que aconteceu, eu não posso fazer isso. Mas eles podem? Por causa de quem são e do que representam? A maneira como fui criado é que você, como membro da família real, especialmente como membro sênior da família, deve liderar pelo exemplo. Você não deveria poder usar esse privilégio para se safar de mais coisas. Nenhuma instituição é imune a críticas e escrutínio, e se apenas 10% do escrutínio que foi colocado sobre mim e M fosse colocado nesta instituição, não estaríamos nessa bagunça agora. É tão… [Ele faz um som gutural de ‘urggh’]. É tão sujo. Está escuro. Estou ansioso pelo dia em que não faremos mais parte disso, mas me preocupo com quem será o próximo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s