Sobre uma das canções que emociona a conclusão de Vikings

A trilha sonora de Vikings, especialmente na última temporada, é bonita. Composta por Trevor Morris, o premiado compositor canadense que trabalhou com Michael Hirst em The Tudors e pupilo do gênio Hans Zimmer, há muitos momentos de melodias para despertar lágrimas nos mais resistentes. Trevor acertou em vários momentos da trilha, mas a canção que tem gerado mais curiosidade não é dele, mas de Einar Selvik, conhecido também como Kvitraf.

Einar começou na música como o baterista de uma banda de heavy metal, na Noruega, e trabalhou na trilha sonora de Vikings, inclusive fazendo uma ponta na 3ª temporada (ele aparece no episódio 7). Ele é uma das estrelas do folk nórdico, estando à frente do grupo Wardruna e escreveu várias canções especialmente para a série, como as canções de Harald e outros momentos onde os vikings soltam a voz.

SPOILER ALERT

Uma das canções que têm despertado a curiosidade dos fãs é a que é usada nas despedidas de Bjorn Ironside e Ivar, o desossado.

A canção tem um elemento que liga os irmãos porque ela reúne as últimas palavras de Ragnar Lothbrok, quando ele incita aos filhos a vingarem sua morte.

Chamada Snake Pit Poetry, em uma referência direta à Ragnar, a canção foi lançada em 2017 e é cantada no dialeto nórdico da época. Na série, ela é usada para ressaltar a emoção e por ser o último fator que uniu os dois irmãos transformados em inimigos, fica ainda mais sensível. Aqui a canção completa e, abaixo, a letra traduzida.

A letra diz:

Logo meu corpo
Morrerá entre as bestas

Os porquinhos guinchariam
Se soubessem do estado do javali
Do sofrimento que me submeteram
Cobras cravam minha carne
Me mordem ferozmente
E me sugam
Logo meu corpo
Morrerá entre as bestas

Os porquinhos guinchariam
Se soubessem do estado do javali
Do sofrimento que me submeteram
Cobras cravam minha carne
Me mordem ferozmente
E me sugam
Logo meu corpo
Morrerá entre as bestas

Os porquinhos guinchariam
Se soubessem do estado do javali
Do sofrimento que me submeteram
Cobras cravam minha carne
Me mordem ferozmente
E me sugam
Logo meu corpo
Morrerá entre as bestas

Eu nunca pensei que
Uma cobra seria minha perdição
Coisas frequentemente acontecem
Do que se menos espera

Eu nunca pensei que
Uma cobra seria minha perdição
Coisas frequentemente acontecem
Do que se menos espera

(Logo meu corpo
Morrerá entre as bestas)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s