A história do “verdadeiro” Arconia

Para quem viveu em Upper West Side, passear pelas ruas era um sonho de arquitetura. Vários prédios grandiosos, muitos do tempo de The Gilded Age, ainda ali, reescrevendo suas histórias. Quando a série Only Murders in the Building lançou sua primeira temporada, eu jurava que se tratava do The Apthorp, o famoso prédio residencial que fica entre as ruas 78 e 79. Me enganei.


O edifício projetado pelos arquitetos Clinton & Russell para William Waldorf Astor, foi construído entre 1906 e 1908 e ocupa todo quarteirão entre a Broadway e West End Avenue. Seu grande pátio interior é um clássico da cidade e é um marco da cidade de Nova York. Foi cenário do filme A Difícil Arte de Amar (Heartburn) porque se tratava da história da diretora Nora Ephron e ela morou no local de 1980 até os anos 2000s.

“Eu me apaixonei loucamente. Eu estava procurando um lugar para morar e uma tarde dei apenas dez passos para um apartamento no Upper West Side de Manhattan e meu coração parou. Era isso. À primeira vista. Eureca. Dez passos e eu disse: “Vou aceitar””, ela escreveu em 2006, relembrando sua paixão pelo Apthorp. “Sinceramente, acreditei que, no pior momento da minha vida adulta, fui resgatada por um prédio”, seguiu em seu estilo genial de escrita.

O Apthorp foi casa de celebridades além de Nora, gente como George Balanchine, Al Pacino, Conan O’Brien, Jennifer Hudson e Cyndi Lauper, entre outros. Na segunda temporada da série, que resgata a história do fictício Arconia, descrevem (e mostram) um pouco do pátio interno com a mesma mensagem de Nora sobre seu prédio.

“Da rua, é lumpen, europeu médio e sólido como um caminhão-tanque, mas seu núcleo é um grande pátio com duas fontes de mármore e um lindo jardim. Entre no pátio e a cidade desmorona; você se encontra no abraço de um belo parque protegido. Há bancos de pedra onde você pode se sentar à tarde enquanto seus filhos correm alegremente, andam de bicicleta, brigam entre si e ameaçam cair na fonte e se afogar. Na primavera, há tulipas e azáleas, no verão, hostas e hortênsias azul-claras” descreveu.

No prédio também tinha uma síndica controversa, Barbara Ross, que lembra Bunny. “Ela tinha um jeito de encontrar você no corredor e fazer você se sentir culpado, mesmo sendo totalmente inocente. Ela era, em suma, uma personagem de um pesadelo”, confessou Nora.

Essa narrativa me fez pensar que o Apthorp seria a inspiração do Arconia. A série é gravada na fachada e interior do The Belnord, na rua 86, contemporâneo do Apthorp e igualmente endereço de famosos, como Lee Strasberg (Marilyn Monroe visitava com frequência) e Walter Mathau, entre outros.

Para o showrunner, John Hoffman, ter conseguido gravar no prédio foi um sonho que antes considerava impossível. “Eu estava obcecado”, disse Hoffman ao New York Times. “É um clichê dizer que o edifício em si é um personagem, mas gosto do desafio de superar um pouco esse clichê. O que nos tira de nossos apartamentos para conhecer pessoas? Quão bem você conhece seus vizinhos? Você só se conecta quando é necessário? As maneiras pelas quais nos reunimos quando vivemos nesses espaços é o que é realmente interessante,” explicou.

E se é que ainda havia um mistério, foi esclarecido essa semana. Se não há um Arconia, há sim um Ansonia, que fica entre as ruas 73 e 74 de Upper West Side. O prédio de 17 andares, o primeiro a ter ar-condicionado e aquecimentos centrais, é lindo e com uma história sinistra, perfeita para o podcast. O endereço foi cenário de crimes (filmes de crimes, como Mulher Solteira Procura e Refém do Silêncio) e até clube de swing.

Também do período do Gilded Age, foi fundado pelo multimilionário pedófilo, William Earl Dodge Stokes, cujo apartamento tinha um elevador secreto e acesso a olhos mágicos para espionar as mulheres se vestindo em outras unidades.

Quando investiu na área, estava longe do prestígio atual. Seu objetivo era o de superar os nove andares do Dakota, na época, novidade da cidade, e construir o “maior hotel de Manhattan”. Teria a maior piscina coberta do mundo, restaurantes decorados no estilo estilo Luís XIV, banhos turcos e uma grande fonte que abriga focas vivas. Foi inaugurado oficialmente em 1904, e na época o Ansonia também tinha salão de festas, banco, barbearia e alfaiataria no local. Sua visão era a que o Ansonia poderia ser autossuficiente, ou pelo menos contribuir para seu próprio sustento. Para isso, criou uma horta no telhado, mas esse projeto fracassou. Ao longo do tempo, o prédio foi endereço de criminosos e cenário de pelo menos uma morte. Um prédio que renderia muitos episódios para nossos podcasters preferidos, concorda?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s