A foto que Marilyn mais gostava



Eu tenho enorme dificuldade de escolher que foto de Marilyn Monroe eu gosto mais. Em geral, os ensaios em que estava à vontade, com menos produção, são os que eu tenho tendência em escolher. Curiosamente, discordo da escolha da própria Marilyn, que elegeu a foto de 1956, tirada no Hotel Ambassador, em Nova York, por Cecil Beaton, como sua preferida. Está em exposição no National Portrait Museum, em Londres e ficava na parede de sua casa, quando estava casada com Arthur Miller.

Cecil Beaton já era um dos fotógrafos mais famosos da época e Marilyn a estrela mais disputada entre os melhores. Era uma junção quase necessária. Se sofria em frente das câmeras de filmagem, era completamente confortável com ensaios fotográficos. Não é por nada que Marilyn era unanimamente a preferida dos melhores. Ela sabia como poucos, ficar à vontade e criar momentos, eternizando sua imagem que até hoje mantém o encanto.

Além das imagens, biógrafos gostam da análise que Beaton fez da estrela, pois ele também se “apaixonou” por ela, mesmo tendo ficado mais de uma hora esperando por ela e irritado inicialmente com a falta de profissionalismo. A partir do momento que ela entrou no quarto, todos se derreteram com ela.

Especialista em imagem, ele estava ciente de que os papéis de Marilyn exploravam inocência e o rótulo de “loira burra”, mas de bom coração e espirituosa. Ele tinha dúvidas se era algo fabricado, mas deparou com algo bem mais complexo. Sua conclusão? Marilyn Monroe era um gênio.

“A verdadeira maravilha está no paradoxo – de alguma forma sabemos que essa performance extraordinária é pura farsa, uma caricatura jovem de Mae West“, ele disse, acrescentando que foi “seu próprio gênio estranho que [tinha] sustentado seu vôo”. Em outras palavras, Marilyn era o que vendia e tinha consciência do que era vendido. Gênio.

A descrição foi considerada a mais apurada e até o diretor Joshua Logan, que trabalhou com ela em seguida, no filme Nunca Fui Santa (Bus Stop), a presenteou com um tríptico com a foto (abaixo) e duas páginas escritas à mão por Beaton com sua análise sobre ela, como a que a considerava como uma das musas do pintor fancês Jean-Baptiste Greuze, do século 18, mas circulando em um mundo contemporâneo.

Outra surpresa que Cecil Beaton ressaltou foi a habilidade de transformação da atriz, de proporcionar ao fotógrafo milhares de “versões dela mesma”, “sem inibição, insegurança e com uma vulnerabilidade verdadeira”, e, mesmo com uma beleza “incandescente” apresentava uma liberdade igualmente paradoxal de não se importar com as roupas ou cabelo. Bora resumir? Autentica e linda.

A experiência no Ambassador foi tão marcante para a atriz que até o fim de sua vida andava com algumas cópias das fotos para autografar para fãs. Em especial, a foto em que segura uma única flor, era sua favorita entre todas.

Segundo dizem, a foto acima foi puro improviso. Marilyn tinha usado a flor para imitar um cigarro e depois a colocado sobre o peito, a protegendo e acariciando como um presente.

Beacon encerrou sua descrição comparando Marilyn Monroe à Ondine: “Ela tem apenas 15 anos de vida, mas nunca vai morrer”.

Infelizmente, Marilyn morreu apenas 6 anos após essas fotos. Sua lenda, no entanto, se mantém viva, mesmo 60 anos depois.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s