Melancolia clássica e definitiva

Robert Smith é um hit maker. À frente do The Cure há 31 anos, ele é um dos compositores mais adorados da história do rock. E conturbados. Dono de uma timidez nunca superada, ele tem uma veia melancólica única, que faz de suas canções tristes sucessos internacionais.

Em 1989, se aproximando dos 30 anos de vida, Robert estava deprimido. Era um dos artistas mais famosos do mundo, o The Cure só tocava em estádio lotados, rodava o mundo, dominava as rádios, a MTV e era elogiado pelos críticos. Sim, também estava super rico. Aliás, era a única satisfação. Todo o resto veio em doses que nunca fez parte do plano original. Nesse cenário, surgiu Disintegration, o álbum ao qual o vocalista se dedicou com toda sua alma para fazer como o melhor da banda. Conseguiu.

Lançado em maio de 1989, o álbum teve bastidores controversos. Robert Smith queria voltar ao universo quase depressivo, no qual se sentia mais confortável. A fama era um tormento. A parceria com Laurence Andrew Tolhurst chegava ao fim (foi seu último álbum na banda) e estava em um humor instável.

Recém-casado com sua namorada de infância, Mary, para quem escreveu Lovesong (que faz parte do álbum), Disintegration foi tudo o que o músico queria e não queria ao mesmo tempo. Conseguiu desagradar a gravadora, que ao ouvir o resultado se apavorou de quanto deprê era o trabalho, porém não apenas foi um dos discos mais bem recebidos pela crítica foi também um dos que mais venderam da banda. Não havia como errar, aparentemente.

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é robert-smith.jpg

Segundo os biógrafos, quando completou 29 anos em 1988, Robert Smith se deprimiu porque “estava ficando velho” e ainda não tinha, no seu ponto de vista, feito o álbum definitivo de sua carreira. Sua meta era conseguir fazer isso antes de chegar aos 30. Estava determinado a aproveitar sua vivência para cantar seus medos, problemas e tristezas.

Deliberadamente depressivo, Desintegration é de fato considerado um dos melhores álbuns dos anos 1990s e do The Cure. Um trabalho que desafia o tempo e é sempre necessário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s