Gaslight é um clássico sobre saúde mental e referência psicológica

O termo gaslighting se refere a um tipo de manipulação psicológica no qual uma pessoa ou grupo conseguem convencer suas vítimas a questionar sua própria sanidade, memória ou percepções das coisas. E tem esse nome graças à uma peça londrina, escrita há 83 anos e ainda extremamente atual no que se refere às relações humanas.

Gaslight tem uma explicação mais técnica. Em tempos de pré eletricidade, a luz era à gás portanto falha. Nos Estados Unidos, onde Vincent Price esteve no elenco, a peça mudou o nome para Angel Street, mas as duas versões para o cinema mantiveram o original.

O filme britânico, estrelado por um espetacular Anton Walbrook (que também brilhou em Sapatinhos Vermelhos), é fiel ao texto teatral. Foi dirigido por Thorold Dickinson e coestrelado por Diana Wynyard.

O sucesso da obra inspirou a MGM a comprar os direitos para realizar a versão americana, praticamente suspendendo a circulação do original britânico por muitos anos. A versão de 1944 faz algumas adaptações da história, mas mantém a premissa original. Dirigido por George Cukor, o suspense foi estrelado por Charles Boyer, Ingrid Bergman e Joseph Cotten e chegou a ser indicado a 8 Oscars, rendendo o primeiro para Ingrid como Melhor Atriz. Muitos consideram Gaslight um dos melhores filmes do diretor e com maior riqueza psicológica do que seu original.

Vale muito a pena ver ambos os filmes para traças as comparações. Aí sim, vai entender o verdadeiro significado de “don’t gaslight me”, que quer dizer “não me enlouqueça”. Em tempos de saúde mental, os clássicos nos ensinam muita coisa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s