O inventor do ballet

Dia 29 de abril é o Dia Internacional da Dança. E a data foi escolhida em homenagem a Jean-Georges Noverre,  considerado um dos criadores do balé moderno e que completaria 295 anos nessa data.

Filho de um soldado suíço ao serviço da Coroa Francesa, Jean-Georges nasceu em Paris e estudou dança com Louis Dupré, estreando nos palcos em 1743, na Opéra-Comique de Paris. Como o Rei Louis XIV, o rei sol, era louco por dança, não demorou a se tornar mestre de balé, em Versalhes. Afinal, foi lá que surgiu a primeira escola de dança, porque o Rei não apenas era um exímio dançarino como queria que todos os nobres dançassem bem também. Depois da França, Jean-Georges , dançou e ensinou em Londres, Berlim e Lyon, antes de voltar para Alemanha.

Na corte do duque Eugen de Württemberg, o coreógrafo estreou seu grande balé de ação, Médée et Jason, ficando famoso e criando quase uma centena de obras, principalmente em Stuttgart e Viena.

Ao retornar para Paris, voltou a atender aos nobres franceses, em especial retomando contato com sua ex-aluna e futura rainha, Marie-Antoinette. Ela o nomeou Mestre de Ballet na Académie Royale de Musique, onde ficou até 1781, colaborando Mozart para Les Petits Riens. Se refugiou em Londres durante a Revolução Francesa e só voltou em 1760, escrevendo dois livros com sua visão vanguardista do balé, que considerava como uma arte por direito próprio através da ligação de música, cenários e direção. Jean-Georges também é creditado de ter trazido a mímica para a dança que foi a semente do ballet clássico e que permitiu que a dança se tornasse parte integrante da ação.

Jean-Georges, na verdade seguiu o caminho aberto pela dançarina Marie Sallé que rejeitou as convenções e surpreendeu o público trazendo drama, realismo, e gestos naturais para a dança. Abandonou as máscaras que os dançarinos sempre usavam para esconder expressões faciais, e adotou tecidos leves para a movimentação. Ao unir música, figurino, cenário e coreografia, com balés narrativos com enredos cativantes e personagens poderosos, inovou o mercado. Seu maior orgulho foi ter simplificado as alegorias na vestimenta e exigir ação, movimentações na cena e expressão à dança. Até hoje chamamos o ballet de “ação”como ballet-pantomima, termo dado por Noverre.

Nessa sexta, os fãs de ballet têm mais uma razão para matar as saudades.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s