A canção de empoderamento feminino de Kate Bush em Stranger Things

Kate Bush é genial.

Sua originalidade é insuperável, mesmo que seu som não seja para todos. Sou fã alucinada por ela desde pequena e quem me conhece sabe. Running up That Hill foi minha música mais tocada no Spotify em 2019, e, na verdade, ano atrás de ano.

Por causa de Stranger Things, a canção – mais uma vez – ganhou destaque. É, unduvidavelmente, o maior sucesso da cantora que tem clássicos como This Woman’s Work e Wuthering Heights, entre outros. Seu álbum de estréia, aos 19 anos, The Kick Inside é um dos mais influentes para grandes estrelas femininas da música, mas foi com Hounds of Love, de 1985, que estourou nos Estados Unidos. Seu quinto álbum, na época, foi considerado extremamente experimental – de uma artista que é a mais experimental de todas – gravado em estúdio próprio no galpão de sua casa. Controle artístico sempre foi essencial para ela e seu som, com grande destque de equimentos eletrônicos como sampler (que ainda não eram comuns) e batida dobrada não tinham paralelo.

Se na música Kate Bush era diferente era ainda mais única em seus vídeos. Em 1985, a MTV era o principal veículo de divulgação e os vídeos contavam histórias. Não para ela. Bailarina moderna profissional, Kate sempre usou coreografias curiosas em suas apresentações (Wuthering Heights é até hoje imitado) e- para Running Up That Hill – a artista não quis “cantar”, mas expressar sua mensagem através da dança.

Quando escreveu Running Up that Hill, Kate a batizou como “A Deal with God”, mas a gravadora temia que citar Deus em uma canção atrapalharia e assim acabou por eliminar a menção, algo que irritou a cantora. É uma prece de uma mulher que queria fazer um acordo com Deus para trocar de lugar com um homem. “Trata-se de um relacionamento entre um homem e uma mulher. Eles se amam muito, e o poder do relacionamento é algo que atrapalha. Cria inseguranças. É dizer se o homem poderia ser a mulher e a mulher o cara, se eles pudessem fazer um trato com Deus, trocar de lugar, que eles entendessem o que é ser a outra pessoa e talvez esclarecesse mal-entendidos, você sabe, todos os pequenos problemas, não haveria problema,” ela explicou na época.

Foi por insistência da própria Kate que esse foi o primeiro single do álbum, mais uma vez indo contra a gravadora. Regravada por famosos como Placebo e usada na abertura da Olimpíadas, a canção apareceu em séries e filmes, sempre com destaque. Incluindo agora Stranger Things.

“Vi alguns vídeos na televisão que outras pessoas estavam fazendo e senti aquela dança, algo em que estávamos trabalhando, principalmente nos vídeos anteriores, estava sendo usada de forma bastante trivial, estava sendo explorada: imagens aleatórias, movimentadas, muitas danças, sem realmente a expressão séria e maravilhosa que a dança pode dar”, Kate explicou na época sobre seu vídeo. “Então sentimos como seria interessante fazer uma rotina muito simples entre duas pessoas, quase clássico, e muito simplesmente filmado. Então foi isso que tentamos, realmente, fazer uma dança séria.”

A MTV não curtiu a idéia e preferiu passar como vídeo um clip da versão ao vivo de Kate nos palcos. hoje é ao contrário, é o vídeo pensado por ela que é o mais clássico.

Running Up that Hill aparece também em:

Big Little Lies 
How To Get Away With Murder 
Vanity Fair 
Warehouse 13 
NCIS: Los Angeles 
The Vampire Diaries 
CSI: Crime Scene Investigation 
Bones 
The O.C. (2006)
Close (2019)
The Circle (2015)
The Human Contract (2008)
The Chocolate War (1988)
The Handmaid’s Tale (2020)
Stranger Things (2022)

It doesn’t hurt me.
Do you want to feel how it feels?
Do you want to know that it doesn’t hurt me?
Do you want to hear about the deal that I’m making?
You, it’s you and me.

If I only could,
I’d make a deal with God,
And I’d get him to swap our places,
Be running up that road,
Be running up that hill,
Be running up that building.
If I only could, oh

You don’t want to hurt me,
But see how deep the bullet lies.
Unaware I’m tearing you asunder.
Ooh, there is thunder in our hearts.

Is there so much hate for the ones we love?
Tell me, we both matter, don’t we?
You, you and me.
It’s you and me won’t be unhappy.

If I only could,
I’d make a deal with God,
And I’d get him to swap our places,
Be running up that road,
Be running up that hill,
Be running up that building,
If I only could, oh

C’mon, baby, c’mon darling,
Let me steal this moment from you now.
C’mon, angel, c’mon, c’mon, darling,
Let’s exchange the experience, oh

And if I only could,
I’d make a deal with God,
And I’d get him to swap our places,
Be running up that road,
Be running up that hill,
With no problems.

If I only could,
I’d make a deal with God,
And I’d get him to swap our places,
Be running up that road,
Be running up that hill,
With no problems.

If I only could,
Be running up that hill
If I only could,
Be running up that hill

If I only could,
Be running up that hill
If I only could,
Be running up that hill

If I only could,
Be running up that hill
If I only could,
Be running up that hill
If I only could,
Be running up that hill

4 comentários Adicione o seu

  1. Ela tem elegância de bailarina e uma voz muito afinada. Uma artista deveras interessante.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s