The Gilded Age: Downton Abbey em NY

O grande teste da longevidade da fórmula de Downton Abbey, uma febre há 15 anos, estreou essa semana na HBO Max. Não, ainda não é o segundo longa da série, mas sim The Gilded Age, a nova produção de Julian Fellowes, que sai da aristocracia britânica para mostrar a arrogância da sociedade americana no início do século 19.

Como mencionei no meu post sobre a série, aprecia ainda mais quem leu as obras de Edith Warthon e Henry James, que endereçaram com maestria o drama que a série se propõe a apresentar. Com nomes da Broadway desfilando em papéis de destaque, mas conduzida por Christine Baranksi e Cynthia Nixon no papel das irmãs quatrocentonas, The Gilded Age apresentou um sólido, porém morno, primeiro episódio, introduzindo as famílias, os conflitos e nos deixando na dúvida pelos próximos episódios.

O termo de “gilded age” foi cunhado por Mark Twain, no conto The Gilded Age: A Tale of Today, de 1873, e retrata um período da história americana, na virada do século, onde a burguesia passou a enriquecer e as cidades crescerem. Foi um período onde a imigração cresceu, assim como o uso de carvão, prata e ouro, com as linhas férreas ampliando o transporte pelo país. Nesse contexto,

Os novo-ricos Russells, se mudam para a área de prestígio em Nova York, mas encontram resistência das famílias mais antigas, especialmente das vizinhas, Agnes van Rhijn (Christine Baranski) and Ada Brook (Cynthia Nixon). Bertha Russell (Carrie Coon) é a ambiciosa matriarca que está tentando ganhar prestígio, forçando a mão. A jovem Marian Brook (Louisa Jacobson, filha de Meryl Streep), sobrinha de Agnes e Ada, é a rebelde que se opõe às convenções da época. Sua amiga, Peggy Scott (Denée Benton), sonha em ser escritora e começa a conviver com as pessoas que serão suas personagens.

A separação entre empregados e senhores, que funciona em Downton Abbey, me soou cansativa e estranha dentro do universo de Nova York, onde havia hierarquia, mas menos submissão social. Porém é cedo. Com figurinos estonteantes, o dramalhão nos espera e Fellowes ainda não nos decepcionou em Downton Abbey, a ver como será em Gilded Age. Mesclando pessoas reais com fictícias, por estar se inspirando na fascinante história dos Vanderbilts podemos esperar muito drama!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s