Para maratonar “as rainhas” britânicas

Quer curtir ainda mais Becoming Elizabeth? Aproveite o feriadão para maratonar as rainhas em ordem. Aqui algumas dicas.

Na ordem histórica

Para seguir a ordem cronológica em que tudo se passa, seria assim:

The White Queen, Starz

The White Princess, Starz

The Spanish Princess, Starz

A Outra (The Other Boleyn Girl), Amazon Prime Video

Becoming Elizabeth, Starz

Elizabeth, Amazon Prime Video

Elizabeth, A Era de Ouro (Elizabeth, The Golden Age), Amazon Prime Video

Duas Rainhas (Mary Stuart), Paramount Plus

Lembrando as ligações…

Os Yorks e os Lancasters entraram em conflito por conta de uma alteração na ordem sucessória (para entender isso, vale rever The Hollow Crown, na Amazon Prime Video. Desenhar um mapa pode ajudar também, porque fica confuso!

A Guerra das Rosas

The White Queen reconta o período parte da Guerra das Rosas e como duas casas britânicas disputaram com sangue e dor o trono britânico. Baseado nos romances históricos de Philippa Gregory a narrativa é conduzida pela perspectiva feminina, das mulheres que nos bastidores lutaram a verdadeira guerra pelo poder. A série é a conjução de três livros, The White Queen, The Red Queen e The Kingmaker’s Daughter). Começa em 1464 com a nação em guerra há nove anos sem chegar a um acordo de quem é o rei legítimo.

A história (que inspirou Game of Thrones) é cheia de reviravoltas, mas o importante é saber que mostra o casamento de Elizabeth Woodville com o Rei Edward IV, da família York. Edward tem dois irmãos, George e Ricardo.

George e Edward rompem e passam a brigar pelo poder. George é o terceiro na linha sucessória porque o irmão teve dois filhos homens com Elizabeth (e duas filhas). George se casa com Isabel Neville, com quem tem uma filha, Margaret. Isabel morre no parto do filho homem do casal e quando os dois príncipes herdeiros “desaparecem” na Torre de Londres, é o caçula, Ricardo, que se torna o Rei Ricardo III. Ricardo é casado com a irmã de Isabell Neville, Anne, mas o casamento dos dois sofre com os conflitos políticos, culminando com o envolvimento dele com a própria sobrinha, Elizabeth “Lizzy” de York. No entanto, Ricardo é deposto por Henrique Tudor, graças à destreza política de sua mãe, Margaret Beaufort.

Passando para The White Princess, a história começa logo após a morte de Ricardo III. Para selar a paz entre os Yorks e os Lancasters, a filha mais velha de Elizabeth Woodville e Edward IV, Elizabeth de York é forçada a se casar com Henrique, agora Rei Henrique VI.

As duas Elizabeths, mãe e filha, guardam a mágoa e suspeita de que Henrique esteja envolvido com a morte dos príncipes herdeiros também e lançam uma maldição: todos os primogênitos homens dos Tudors morrerão antes de conseguirem governar. Uma pausa para um comentário. Na história verdadeira a culpa do desaparecimento e morte dos príncipes cai nos ombros de Ricardo III, mas na série a culpada é Margaret Beaufort, mãe de Henrique VII, que é um bom homem.

Embora o princípio da união seja tumultuado, Lizzy e Henrique acabam se apaixonando de verdade quando os filhos nascem. Eles entraram para a História como um dos raros casamentos de amor e fidelidade entre um Rei e uma Rainha, mas ainda assim a história de amor dos dois é construída em cima de assassinatos, traições e maldição. Para garantir o futuro financeiro e político da Inglaterra, Lizzie e Henrique fazem um pacto com a Espanha, unindo suas famílias com o casamento dos filhos.

Onde a história chega à Elizabeth

The Spanish Princess é dividida em duas temporadas, e entrega a série para Becoming Elizabeth. Em 1501, a princesa Catarina de Aragão se casa com Arthur, Príncipe de Gales. Ela se entende melhor com o irmão dele, Henrique, e fica amiga das cunhadas, Margaret e Mary. Também se aproxima da tia deles, Margaret Pole.


Margaret Pole, para lembrarmos, como filha de George, Duque de Clarence, se a ordem sucessória não fosse masculina, teria sido Rainha no lugar de Ricardo III ou Henrique VII. Ela e Lizzy são da facção York, mas Henrique VII, um Lancaster, inaugurou a Casa Tudor, para selar a paz. Ela seguiu como uma mulher influente e sua decisão de apoiar o sobrinho Henrique mais à frente, será fatal para Catarina. Mas antes disso, voltemos.

Enquanto vêem o filho mais velho se casar, Lizzy e Henrique esperam o nascimento do 5º filho. Ainda seguindo a tradição dos casamentos políticos, casam a filha Margaret “Meg” Tudor com o rei da Escócia e, a mais nova, Mary, com o Rei da França. Os dois casamentos são infelizes e dramáticos. Meg, virou uma Stuart ao dar luz ao seu filho, James V, futuro pai de Mary Stuart. Já Mary, quando ficou viúva, se casou com o Duque de Suffolk, Charles Brandon. A neta dos dois será Jane Grey. Guardem essas informações porque ambas vão cruzar com Elizabeth I.


Voltando, Arthur morre subitamente deixando Catarina viúva e o pacto com a Espanha em risco. Em seguida, se sentindo culpada pela maldição, Lizzy morre de parto, deixando Henrique VII desolado e deprimido. Não demora também a morrer, do coração e tristeza, fazendo com que o jovem inexperiente Henrique seja coroado como Henrique VIII. Ele então se casa com Catarina e os dois tem uma filha, Mary.

Na falta do herdeiro homem, o casamento de Henrique e Catarina se desgasta e ele passa a ter romances com outras mulheres, incluindo as duas irmãs Bolena. Do relacionamento com Anna, em particular, se transforma em uma paixão avassaladora e depois de muita pressão, escândalo e brigas, o Rei se divorcia de Catarina para se casar com Anna Bolena.

Para preencher o espaço entre uma série e outra, o filme

Para desespero de Henrique, que precisava de um herdeiro homem, nasceu Elizabeth. Aqui, se quiser entender o que houve, o filme A Outra conta o romance de Anna Bolena com Henrique VIII e como ela fez inimigos poderosos e foi destruída pela necessidade de gerar um herdeiro masculino. Anna teve pouco contato com a filha pois quando ela ainda era uma criança foi executada a mando do marido.

Henrique VIII ainda se casou mais cinco vezes, mas foi com Jane Seymour que conseguiu o sonhado filho, Edward, futuro Rei Edward VI. Jane morreu de parto, mas sua família seguiu como a mais influente no reino. Quando Henrique VIII morreu, aos 55 anos, o pequeno príncipe ainda era uma criança e foi disputado pelos tios, Thomas e Edward, que usaram seu parentesco com a mãe do rei para ficarem mais ricos. Edward, também Lord Dudley, se estabeleceu como Protetor e regente de fato do reino até que os dois irmãos cairam do poder e foram executados. Mas estamos avançando muito.

Becoming Elizabeth começa justamente nessa virada na qual Edward ascende ao trono. Os dois irmãos Seymour estão brigando pelo poder e Thomas se casa com a viúva de Henrique VIII, Catherine Parr. É importante entender Edward Seymour aqui.

Responsável por resolver questão escocesa, não conseguiu evitar que a neta de Meg (irmã de Henrique VIII), Mary Stuart, fugisse para se unir à Família Real francesa. Essa parte será essencial quando lançarem The Serpent Queen, sobre Catarina de Medicis.


A queda de Edward será através de um golpe de estado a ser liderado por John Dudley, Conde de Warick. Ao se sentir ameaçado, “tomou posse da pessoa do rei”, seu sobrinho, o que em outras palavras quer dizer que o aprisionou. A má gestão do governo de Seymour também foi exposta e o regente foi preso, julgado e condenado. John Dudley o substituiu.

Dudley, que também será condenado em alguns anos, ganhou grande influência sobre o jovem Edward VI e convence ao Rei de excluir suas irmãs da sucessão, para privilegiar sua prima, Jane Grey (lembrem-se, Jane é sobrinha neta de Henrique VIII por parte de sua avó). Para assegurar sua ascensão, Dudley casa seu filho mais velho, Guildford, com Jane.


No início de 1553 Edward VI ficou doente e e morreu em apenas seis meses, com a relutante Lady Jane Grey sendo coroada Rainha. A conspiração durou apenas 9 dias, pois os súditos se ofenderam que Mary, filha de Catarina, não fosse a Rainha. Sua tentativa de impedir foi frustrada e ele foi preso, julgado e executado. Assim como Jane e Guildford. Historiadores apegam que imagem negativa de John Dudley serviu como bode expiatório para os outros.

Voltemos a Thomas Seymour. Thomas era amante de Catherine Parr antes que ela se casasse com o Rei, se casando com ela assim que ficou viúva, como vemos em Becoming Elizabeth. Na convivência com a enteada da esposa, começou a mostrar afeto por Elizabeth e excessiva intimidade, fazendo cócegas nela e dando tapinhas em seu traseiro enquanto ela estava deitada em sua cama, ou entrando em seu quarto em suas roupas de dormir. A governanta da princesa teria relatado a Catherine, que minimizou como diversão inocente e até participou de “brincadeiras”. Historiadores alegam que Elizabeth, de fato, sentia algo a mais por Thomas, mas quando Catherine engravidou,
ficou tão preocupada com o relacionamento de flerte de seu marido com Elizabeth que ela mandou Elizabeth embora, alimentando as fofocas de algo a mais forte ter acontecido para uma decisão tão extrema.

Catherine deu à luz uma filha, Mary Seymour, mas morreu dias depois do parto. Como herdeiro, Thomas, passou a ser um dos homens mais ricos da Inglaterra. Embora “surpreso” com a morte da esposa, passou imediatamente a cortejar Elizabeth. Também aproveitou a ausência do irmão, lutando na Escócia, para alimentar a campanha contra ele e incitar uma frustrada rebelião, onde subestimou sua popularidade e poder. Por alguma razão jamais conhecida, Thomas Seymour foi pego tentando invadir os aposentos do rei no Palácio de Hampton Court. Preso e enviado para a Torre de Londres, foi interpretado como tentativa de assassinato, levantando suspeitas sobre o envolvimento de Elizabeth na história. Foi condenado à morte e executado por traição.

Na prisão, Elizabeth se aproximou do homem que viria a ser conhecido como o grande amor de sua vida, Robert Dudley, filho de John Dudley e preso por ter ajudado ao pai em tentar impedir a coroação de Mary. Amarrando os destinos de todos.

Tudo isso estará em Becoming Elizabeth. Os filmes Elizabeth, de 1998 e Elizabeth, A Era de Ouro são sobre a ascensão de Elizabeth ao trono e como se destacou como regente. Todo esse trauma que estará na série é a base das inseguranças e também das decisões da Rainha, incluindo a de jamais se casar.

Para fechar o ciclo cármico, ao morrer sem herdeiros, foi justamente o filho de Mary Stuart que passou a ser Rei. Mary, que era prima de Elizabeth por parte de pai (Mary era sobrinha neta de Henrique VIII, assim como Jane Grey) e como católica e legítima, questionava o direito de Elizabeth, fruto da união de Henrique VIII após o divórcio (não reconhecido na Fé Católica). Portanto, no final das contas, os filhos, netos e bisnetos de Lizzy e Henrique VII se perseguiram e se mataram até que, com a morte de Edward VI sem herdeiros homens, nem Mary ou Elizabeth, que a casa Tudor tenha “acabado” apenas duas gerações depois.

Gostou do resumão? É para ajudar com os filmes e séries! Ainda temos vindo aí The Serpent Queen, que vai nos transportar para a França e abrir o horizonte para toda outra guerra pelo trono e poder. Quando chegar House f the Dragon – ficção – estaremos craques!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s