A profundidade e amadurecimento da música de House of the Dragon

A composição de Ramin Djawadi para Game of Thrones, desde o lendário tema de abertura aos demais, é parte essencial do sucesso da franquia. Sua confirmação em House of the Dragon foi uma das mais celebradas pelos fãs. Ninguém duvidava do que entregaria.

Se superou.

Olhando para trás e ouvindo cada temporada de GOT até a 1ª de HOTD, que só foi liberada após a conclusão, há um caminho claro – conectado – e original ligando toda a história.

Em 2010, quando Game of Thrones chegou à HBO, o tema principal foi imediatamente o mais popular, gerando covers e memes que colaboraram para sua popularização. Basicamente ele trabalhava com quatro temas (leimotifs): o do Trono (abertura), sempre no fundo das disputas políticas; o de Winterfell, triste, introvertido e sempre aplicado aos Starks; o dos Lannisters, usado para a canção Rains of Castamere e o tema de Daenerys Targaryen, romântico e grandioso. Ao longo da história foram surgindo outros, como o tema de amor de Jon Snow e Daenerys (Truth), o tema do Night King e o mais adorado dos fãs, Light of the Seven, que virou a assinatura de Cersei Lannister.

Quando o primeiro episódio de House of the Dragon dispensou os créditos e partiu direto para a trama, muitos ficaram ainda mais ansiosos. Apenas no fim do episódio entrou a música nova, The Prince That Was Promised, com a introdução de piano e mesclando o tema do Night King e notas de Daenerys e Game of Thrones.

O uso do tema tradicional na abertura funcionou, mas aos poucos fomos nos familiarizando com as novas temáticas e hoje torço para a mudança na segunda fase, com a dramática e bela melodia do tema que associamos aos Targaryens agora. Se no início ainda ouvíamos notas de Daenerys, agora sabemos que elas são ligadas aos vôos e dragões e nem tanto à Rhaenyra.

A trilha sonora de House of the Dragon traz 44 faixas e confirmam o amadurecimento artístico de Ramin Djawadi na narrativa musical. Mesmo sem a imagem, ao ouvir a música nos transportamos para Westeros e o sentimento de cada personagem através das melodias. A tragédia e a tristeza pontuam os temas, assim como o mistério. O tema de Rhaenyra tem um coral, um suspense que nos deixa encantados e enfeitiçados por ela. Na faixa de sua coroação, The Crown of Jaeherys é um dos pontos altos do álbum. Em comparação, o tema Coronation, que esteve no fundo da ascensão de Aegon II, é mais soturna, nos lembra mais da ameaça dos Night Walkers e o despreparo dele para lidar com a ameaça do qual nem tem conhecimento.

Funeral At The Sea, assim como Lament, The Silent Sisters e Fate of the Kingdoms refletem a tristeza das perdas e a ansiedade de uma tênue paz entre parentes.

Vale ouvir cada uma, mais de uma vez. Ramin está mais uma vez de parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s